Museu Nacional dos Coches

Exposições


Nova Exposição “Escola do Caminho Longo”

Crianças deslocadas de Cabo Delgado chegam ao Museu Nacional dos Coches

As fotografias, os percursos e os relatos da fuga de 20 crianças deslocadas de Cabo Delgado chegaram a Lisboa pela mão da ONGD Helpo, através da exposição  Escola do Caminho Longo, inaugurada em novembro, no Museu Nacional dos Coches.

Esta iniciativa, que conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República, resulta da viagem que a escritora Maria João Venâncio e o fotógrafo Luís Godinho realizaram ao norte de Moçambique, em julho deste ano, para conhecer a dramática realidade dos mais de 800 mil deslocados, metade dos quais são crianças, que fogem dos ataques armados em Cabo Delgado.

 

A exposição Escola do Caminho Longo dá a conhecer a história de 20 crianças, que tiveram de abandonar as suas aldeias para sobreviver ao ataque dos insurgentes, caminhando centenas de quilómetros, durante vários dias, na tentativa de chegar a um lugar seguro.

São histórias impressionantes, de dor e superação, nem todas com final feliz, apresentadas em painéis que se erguem do chão, com a fotografia das crianças em tamanho real, que nos olham de frente e nos contam, na primeira pessoa, os percursos e as emoções vividas durante este caminho longo.

O projeto Escola do Caminho Longo é uma iniciativa da Helpo, associação que intervém no apoio a populações vulneráveis no norte de Moçambique desde 2008, com o objetivo de alertar para o drama humanitário que se vive naquela região há mais de 4 anos.

A exposição surge na sequência do trabalho da Helpo na localização de crianças após a fuga, de forma a proporcionar a continuidade do apoio ao estudo, como acontecia antes do conflito, naquelas regiões.

Por isso, no centro da exposição está uma carteira escolar, que simboliza o ponto de chegada desejado por todas estas crianças, o fim do caminho longo: a escola. O acesso à educação, área privilegiada da intervenção da Helpo em Moçambique, representa o lugar de segurança, de regresso à normalidade e de esperança no futuro.

Patente até 16 de janeiro de 2022.